19
outubro
2010
13:39

Belo Horizonte definirá ações para o Projeto Vida no Trânsito

Equipe da prefeitura e comissão interministerial se reúnem hoje (19) e amanhã (20) para selecionar prioridades e definir ações

Representantes da prefeitura de Belo Horizonte se reúnem hoje (19) e amanhã (20) com uma comissão interministerial para realizar o planejamento local das ações do Projeto Vida no Trânsito cujo objetivo é fortalecer políticas de prevenção de lesões e mortes no trânsito, bem como o planejamento, acompanhamento e avaliação das ações. As discussões serão entre 8h30 e 18h, na sobreloja do edifício da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) de Belo Horizonte – Avenida Afonso Penna, 2336, Bairro Funcionários. 
  A reunião contará com representantes da prefeitura e de integrantes da Comissão Nacional do Projeto, formada por diversos ministérios, como os da Saúde e Cidades, além da Casa Civil e outras instituições. Também haverá participação da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), instituição parceira na realização do Projeto.
  Os objetivos da reunião são conhecer os pontos positivos e os principais problemas relacionados ao trânsito da cidade, selecionar prioridades locais e definir o planejamento de ações até 2012, quando terminará a primeira etapa do projeto – a segunda etapa irá até 2015. Neste período, a prefeitura deve desenvolver ações de prevenção de lesões e mortes no trânsito e de promoção da cultura de paz e segurança viária.
  Lançado no dia 18 de junho de 2010, o Vida no Trânsito é resultado de uma ação interministerial, desenvolvida em parceira com a Organização Mundial da Saúde (OMS), Opas e a Bloomberg Philanthropies, uma fundação internacional de promoção de atividades na área social. No Brasil, além de Belo Horizonte, integram o Projeto as cidades de Campo Grande (MS), Palmas (TO), Teresina (PI) e Curitiba (PR). A capital mineira é o terceiro município a estruturar um plano de ação – o primeiro foi Campo Grande (MS), nos dias 7 e 8, e o segundo, Teresina, dias 14 e 15 de outubro.
  No mundo, a ação global é chamada Road Safety in 10 Countries (RS 10). Além do Brasil, participam outros nove países: Rússia, Turquia, China, Egito, Índia, Camboja, Quênia, México e Vietnã.
  PROGRAMAÇÃO – Hoje (19) os representantes do município apresentam à Comissão um panorama da situação epidemiológica relacionada às lesões e óbitos no trânsito, bem como a estrutura para o controle do tráfego na cidade, fiscalização e detecção de infrações e emissão de multas. Também serão conhecidos os sistemas de informação utilizados pelos órgãos da prefeitura para o monitoramento do trânsito e o impacto na área da saúde. À tarde, a prefeitura selecionará os principais problemas a serem trabalhados na capital e iniciará o planejamento das ações locais, que será finalizado até o final da tarde de amanhã (20).  
  NO BRASIL – O Projeto Vida no Trânsito terá duas etapas, sendo que a primeira começa este ano e se estende até 2012. Até lá, as cidades selecionadas devem desenvolver experiências bem-sucedidas relacionadas ao trânsito e que possam ser reproduzidas por outras cidades brasileiras. A segunda etapa acontecerá entre 2013 e 2015.
  Os municípios selecionados deverão, no prazo de dois anos, planejar e implementar ações que reduzam as lesões e mortes provocadas pelo trânsito, bem como estruturar mecanismos de monitoramento e avaliação das atividades e dos resultados alcançados.
  Para nortear o planejamento inicial das ações, foram eleitos dois fatores de risco prioritários, que devem nortear as medidas de prevenção: associação entre direção e bebida alcoólica, e o excesso ou inadequação da velocidade. Os municípios poderão agregar outros fatores de risco, de acordo com a realidade local.
  A seleção e avaliação das capitais que integram o projeto incluíram critérios epidemiológicos e estruturais, como a alta prevalência de lesões e óbitos no tráfego urbano, fatores de risco como o consumo de álcool antes de dirigir e a precariedade da infraestrutura urbana, a exemplo da falta de faixa de pedestre. Também foram considerados critérios a municipalização do trânsito, a localização regional e o porte do município, entre outros. Também foram incluídas nos critérios a existência de programas de prevenção no município e a capacidade técnica e operacional para o desenvolvimento das atividades. Além disso, durante as visitas de avaliação, feitas por um grupo interministerial, as prefeituras assumiram o compromisso político de dar prioridade às ações do Projeto.

Recomendo estes outros conteúdos:

  1. SPVIAS inicia atividades na Semana Nacional de Trânsito
  2. Voluntários da Vida ajudam bancos de sangue
  3. CET altera circulação de ruas em Campo Belo
  4. Subprefeitura cria Praça de Atendimento Itinerante; bairros serão visitados
  5. CET monitora trânsito no Transamérica Expo Center para “São Paulo Boat Show”

Seu email nao sera divulgado.
Campos obrigatorios marcados com *