06
março
2013
18:41

Conceito “Pátio” do Shopping Paulista ganha mais dinheiro em cima dos lojistas mas não oferece qualidade aos clientes

Eu ando muito pela cidade e frequento muitos estabelecimentos comerciais. Percebo que em alguns há um conceito diferenciado, mais refinado e com cardápio mais elaborado, inclusive no quesito preço. Mas, o atendimento deixa a desejar.

O Shopping “Pátio” Paulista é um belo exemplo. No dia 20 de novembro de 2010 eu havia reclamado das péssimas condições de um banheiro. Clique aqui e veja a matéria. 

A administração é da famosa empresa Brookfield, aquela mesma acusada, no ano passado, de pagar propina. Clique aqui e leia.

Há muitos anos eu reparo que os banheiros, que deveriam ser de uso exclusivo dos clientes, a fim de oferecer mais conforto para quem desembolsa quantias generosas para consumir produtos nesse estabelecimento, que cobra quantias generosas de seus lojistas,  pelo simples conceito “Pátio”, são invadidos por funcionários das lojas.

O problema é que o clientes ficam perdidos em determinados horários. Primeiro, porque as cabines estão sempre lotadas. Depois que o cliente sai da cabine, as pias ficam ocupadas por lojistas que passam fio dental, escovam os dentes, lavam o rosto e arrumam o cabelo. Isso quando não falta papel toalha! E mais: o constrangimento de ver pessoas seminuas trocando o uniforme. Ou seja, os banheiros de clientes são vestiário de funcionários. Isso é comum em todos os andares!

Os bebedouros têm sempre um funcionário enchendo uma, duas ou três garrafinhas. Os clientes ficam esperando por minutos. E os bancos e sofás sempre ocupado por um funcionário que tira um cochilo. Veja a foto abaixo.

Resumindo: os lojistas e os clientes bancam um shopping para o usufruto dos funcionários!

Os funcionários deveriam ter um local espaçoso, confortável e  privativo para usarem e descansarem. Mas me parece que desde a inauguração do shopping ninguém pensou nisso!

Resposta do Pátio do Cliente:

Reclamei com a Neide e a Cristiane da administração. O atendimento foi super cordial e com muita paciência, para aguentar o meu inconformismo, como deve ser o atendimento de quem lida com o público!

O problema é o discurso corporativo, sempre com uma explicação para o inexplicável!  A desculpa foi a expansão que está em curso. Alegaram que o banheiro dos funcionários foi desativado e que por esse motivo houve a invasão nos banheiros dos clientes.

Discordo!!! Antes da ampliação já havia a tal invasão! Novamente me deram outra explicação alegando que eles orientam os funcionários mas que o sindicato não permite que os mesmos sejam impedidos de usar os banheiros. Engraçado, não pode haver regras que disciplinem o uso a fim de favorecer o conforto dos clientes?

O melhor que foi dito pela Cristiane, a responsável, é uma frase clássica que eu já ouvi várias vezes: “Mas nunca ninguém reclamou!”. Fantástico, por esse motivo então não há problema. E precisa alguém reclamar para eles detectarem o problema? O shopping com conceito “Pátio” não tem uma pessoa que fiscaliza o ambiente?

E tem mais: nem os seguranças fiscalizam direito. Ontem, eu precisei avisá-los de um senhor ludibriando os clientes por uma hora sem que ninguém percebesse. Clique aqui e veja.  A foto na postagem foi tirada de um vídeo que eu fiz em conversa com ele.

É, infelizmente essa é a nossa cultura! Os empresários só pensam em aumentar os lucros a todo custo, mas não se preocupam em oferecer um serviço de qualidade real e não apenas no conceito!

Reclamações e sugestões podem ser encaminhadas ao marcelo@blogdocury.com.br.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Recomendo estes outros conteúdos:

  1. Shopping Pátio Paulista: conceito fino de Pátio, mas banheiro nojento!
  2. Descaso impera no Shopping “Pátio” Paulista
  3. Internauta reclama de seguranças do Shopping Pátio Paulista
  4. Orient devolve dinheiro mas gerente desaparece e não encerra o caso
  5. Árvores de Natal: Shopping Pátio Paulista