16
agosto
2012
20:40

Internauta reclama da H.Stern, representante oficial da Tag Heuer no Brasil

Internauta descontente com o atendimento da H. Stern, nos encaminha a seguinte reclamação. Leia na íntegra:

Em fevereiro de 2012, o empresário alagoano Giuseppe Cartisano, 46 anos, comprou um luxuoso relógio da Tag Heuer na boutique dos relógios, no aeroporto de Lisboa, em Portugal, quando retornava de férias da Europa para o Brasil. Saber que a consagrada joalheria H Stern era a única representante da marca em nosso País foi o fator decisivo para a aquisição do produto.

O que ele não imaginava era que o relógio apresentaria, logo no primeiro dia de uso, defeito de fabricação no visor. Isso porque o aparelho enchia de gotas de água e ficava embaçado toda vez que o cliente lavava as mãos, o que tornava impossível a visualização das horas.

Em 14 de Maio, chateado com a situação, não resolvida por telefone, ele enviou o aparelho para a matriz da H Stern no Rio de Janeiro que, apesar de ser a representante oficial da marca no Brasil, se recusou a trocar o relógio por outro novo, do mesmo modelo e valor. Segundo a joalheria, a substituição só poderia ser feita com a autorização oficial da Tag Heuer.

Acontece que a empresa Suíça só aceita efetuar a troca do produto se receber um laudo elaborado pelo representante português da marca. Entretanto, o cliente não acha justo enviar o relógio para Portugal e arcar sozinho com as despesas do seguro deste tipo de remessa. A joalheria H Stern, por sua vez, afirma que não realiza este tipo de envio.

Diante deste impasse o consumidor se vê coagido a ter que ficar com um relógio defeituoso porque a H Stern – única representante oficial da Tag Heuer no Brasil, aceita fazer somente o reparo e não se compromete a substituir o produto (que foi vendido ao cliente com vício de fabricação), por outro novo, do mesmo modelo e valor.

Aliás, contrariando o Código de Defesa do Consumidor que em seu artigo 18, parágrafo primeiro, é claro ao preceituar que: “os fornecedores de produtos de consumo duráveis respondem solidariamente pelos vícios de qualidade que os tornem impróprios ou inadequados ao consumo, podendo o consumidor exigir a substituição das partes viciadas, não sendo o vício sanado no prazo máximo de trinta dias, pode o consumidor exigir, alternativamente e à sua escolha a substituição do produto por outro da mesma espécie, em perfeitas condições de uso”.

Reclamações e sugestões podem ser encaminhadas ao marcelo@blogdocury.com.br.

Recomendo estes outros conteúdos:

  1. Internauta reclama que Banco do Brasil “sequestra” dinheiro dos correntistas
  2. Mais um internauta reclama da qualidade do relógio ORIENT
  3. TIM vende em site planos que não existem, reclama internauta
  4. Internauta reclama da assistência técnica da Philco que extrapolou os 30 dias para resolver o problema e pede uma tv nova
  5. VIVO não respeita o atendimento ao cliente via telefone, reclama internauta