11
janeiro
2012
19:24

Justiça concede adoção unilateral à mulher companheira da mãe da criança

A juíza de Direito Renata Bittencourt Couto da Costa, da vara da Infância e Juventude do foro regional da Lapa/SP, julgou procedente ação na qual uma mulher requeria a adoção unilateral de uma criança, filha biológica da companheira.

De acordo com os autos, a autora da ação e a mãe da criança vivem em união homoafetiva estável há 3 anos. Em acordo com a autora, a companheira gerou um filho por meio de inseminação artificial, passando as duas a cuidarem do bem estar da criança desde seu nascimento.

Assim, defendem que a adoção já se consumou e resta apenas sua legalização. O MP opinou pela procedência da ação.

A magistrada consignou inicialmente que “o que gera uma ‘família’ são os laços de afeto e respeito que unem seus componentes.” Em contrapartida, a união homoafetiva não foi reconhecida como forma de ser consítuída a “entidade familia”, tendo os constituintes, segundo a juíza, perdido “grande oportunidade”.

A juíza Renata Bittencourt afirma na sentença que “trata-se de mães competentes, amadurecidas, esclarecidas e afetivas que se revezam em grande sintonia, zelando primorosamente pela criança”, de modo que concedeu o pedido.

Quanto ao assento de nascimento da criança, determinou a julgadora que deverá constar ser filho da genitora e de sua companheira, neta dos genitores destas, “sem que se decline a condição de pai ou mãe.”

A causa foi patrocinada pelas advogadas Thaís Vilhena e Tatiana Pacheco.

Recomendo estes outros conteúdos:

  1. Pai de menina abandonada em caçamba quer guarda de criança
  2. Sócia de restaurante nega racismo em caso envolvendo criança em SP
  3. Mulher que denunciou execução se diz traída pela Corregedoria, diz jornal
  4. Homem falha ao tentar engravidar mulher do vizinho e descobre que é corno!
  5. Artigo: Segurança de Criança não é Brinquedo

Seu email nao sera divulgado.
Campos obrigatorios marcados com *