09
dezembro
2011
08:54

Mortes por atropelamento caem 41,7% em área abrangida pelo Programa de Proteção ao Pedestre

Terceiro levantamento da CET mostra também redução de 7,4% nas mortes de pedestres no Município de São Paulo 

A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) registrou uma terceira nova tendência de queda, agora de 41,7%, no número de mortes provocadas por atropelamentos dentro da área abrangida pela 1ª. Zona de Máxima Proteção ao Pedestre (ZMPP) Centro/Paulista. O levantamento atual compreende o período de 11 de maio a 31 de agosto de 2008, 2009, 2010 e 2011. Nos dois primeiros anos analisados, houve, respectivamente, um registro de nove e 15 óbitos de passantes na região. Em 2010, foram 12 mortes ante sete óbitos registrados no mesmo período de 2011, na ZMPP (-41,7%).

Gráfico 1 – Mortes por Atropelamentos

Na 1ª. ZMPP Centro/Paulista, de 11 de maio a 31 de agosto:
 

O estudo de agora confirma a tendência de diminuição na soma dos óbitos de pedestres, corroborando o êxito da Campanha empreendida pela Administração Municipal que teve início em 11 de maio deste ano, para marcar o advento da Década de Ação para a Segurança Viária estabelecida pela Assembléia Geral da ONU.

Todas as análises fazem analogias com épocas anteriores à Campanha e usam fundamentalmente a mesma metodologia: o cruzamento de dados de mortes com base nos boletins registrados pelo Instituto Médico Legal (IML) e boletins de ocorrência de acidentes de trânsito cadastrados pela Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo.

O estudo revela também uma redução de 27,2% no número de atropelamentos na ZMPP entre 11 de maio e 31 de agosto, em dados comparativos com o mesmo período de 2010. Em 2011, foram 139 atropelamentos nesses meses ante 191 em 2010.

Gráfico 2 – Atropelamentos na 1ª. ZMPP

Na 1ª. ZMPP Centro/Paulista, entre 11 de maio e 31 de agosto
 

Conforme já divulgado, o Programa de Proteção ao Pedestre tem como meta baixar entre 40% e 50% o número de mortes por atropelamentos na cidade de São Paulo até o fim de 2012. Em 2010, o Município contabilizou 7.007 atropelamentos, resultando na morte de 630 pedestres.

A idéia é provocar uma mudança de comportamento de todos os atores do trânsito com relação ao respeito à faixa de segurança e prioridade à vida. Esse objetivo consiste, na sua essência, num processo contínuo de Educação para o Trânsito e Cidadania. É evidente que isso demanda tempo e requer atenção redobrada de todos os que circulam pelas ruas da Capital, seja por meio de veículos motorizados, bicicletas ou a pé.

A mudança conceitual tem surtido efeito, pois a quantidade de atropelamentos em São Paulo vem diminuindo gradativamente ano após ano: em 2010, de 11 de maio a 31 de agosto, ocorreram 2.275 atropelamentos no município de São Paulo ante 2.108 no mesmo período de 2011. Uma diminuição de 7,3%.

Gráfico 3 – Atropelamentos no Município de São Paulo

Evolução para o período de 11 de maio a 31 de agosto:

Uma queda semelhante, de 7,4%, foi igualmente verificada na quantidade de mortes de pedestres atropelados na cidade de São Paulo: a evolução para o período de 11 de maio a 31 de agosto mostra que, em 2010, morreram 188 pessoas que andavam a pé no trânsito paulistano ante 174 óbitos registrados em igual período de 2011.

Gráfico 4 – Mortes de pedestres no Município de São Paulo

Evolução para o período de 11 de maio a 31 de agosto:

Recomendo estes outros conteúdos:

  1. Programa de proteção ao pedestre chega aos corredores de ônibus e estações de metrô
  2. SMT faz parceria com SindimotoSP para divulgar Programa de Proteção ao Pedestre
  3. Após programa de proteção, prefeitura lança ‘Gesto do Pedestre’
  4. Lançamento do Programa de Proteção ao Pedestre. Assista a um flagrante do Blog do Cury
  5. Metrô E CET fazem parceria para divulgar programa do pedestre

Seu email nao sera divulgado.
Campos obrigatorios marcados com *