02
novembro
2010
17:08

PM de São Paulo representará Brasil em 30 países

Parceria firmada ente Polícia Militar, Ministério das Relações Exteriores e Agência Japonesa de Cooperação Internacional estabelece PMs paulistas como multiplicadores da filosofia de Polícia Comunitária em países da América Latina, Caribe e os de língua portuguesa na África 

A filosofia da Polícia Comunitária implantada pela Polícia Militar do Estado de São Paulo atravessou as fronteiras do território nacional, cruzou a linha de países da América Latina, como Nicarágua, Honduras, Guatemala, El Salvador e Costa Rica, e agora atravessará o oceano. São Paulo representará o país em um projeto que visa expandir a experiência de policiamento comunitário cidadão para outros 30 países da América Latina, Caribe e os de língua portuguesa na África. O policiamento comunitário foi implantado no Brasil em 1997, através de uma parceria com o Japão.

Nos últimos dias 28 e 29, o comandante geral da PM paulista, coronel Álvaro Batista Camilo, e o diretor de Polícia Comunitária e Direitos Humanos, coronel Luiz de Castro Júnior, estiveram em Brasília para apresentar o projeto ao Ministério das Relações Exteriores e à Agência Japonesa de Cooperação Internacional (JICA). São Paulo representará o Brasil, transmitindo a ideia de uma nova forma de policiamento que respeita os direitos humanos e aproxima a polícia da comunidade.

O convite para a apresentação da proposta pela PM foi feito em junho pelo Ministério das Relações Exteriores, representando o governo brasileiro, e pela JICA, que representou o japonês, para compor o Programa de Treinamento de Terceiros Países (PTTP), abrangido pela Parceria Brasil-Japão, operacionalizada no país pela Agência Brasileira de Cooperação (ABC). A aliança entre esses países objetiva transferir conhecimento para países de terceiro mundo em áreas consideradas prioritárias para o desenvolvimento local, como saúde, agricultura e gestão urbana. Até agora, não havia nenhuma proposta desse programa na área de segurança pública.

A proposta será avaliada. O coronel Castro acredita que o programa seja aceito ainda em 2010 e que seja elaborada uma programação para início em 2011. O calendário inclui cursos de Polícia Comunitária ministrados em São Paulo e o envio de PMs para os países, onde serão responsáveis por dar qualquer suporte necessário para a implantação da filosofia.

“Os policiais militares de São Paulo atuarão como multiplicadores nestes países, difundindo a filosofia da Polícia Comunitária, com características adaptadas à realidade brasileira, para os 30 países”, afirmou o coronel Castro.

Para o comandante da PM, coronel Camilo, a Polícia Comunitária é um exemplo a ser seguido, e foi uma das ferramentas para diminuição dos índices de criminalidade no estado. “Hoje um cidadão denunciar crimes à polícia é justamente resultado da melhora do relacionamento entre o cidadão e a polícia, o que é fundamental para a segurança pública. Por isso a polícia de São Paulo trabalha com três princípios básicos: forte gestão – investimento em equipamento – na área de direitos humanos e a Polícia Comunitária.

Convênio ampliado
A Polícia Militar paulista e a Polícia Nacional do Japão assinaram na última sexta-feira (29) um acordo para extensão do convênio de Polícia Comunitária. A primeira mudança é a tradução do material didático para o espanhol, a ser distribuído em mídia digital e, ainda, a criação do Encontro Técnico Internacional de Polícia Comunitária.

Um pouco do Brasil do outro lado do mundo
“O Japão reconhece o sucesso deste policiamento no Brasil”, afirma o coronel Camilo. Prova disso é que representantes da JICA estão no Brasil para conferirem o trabalho que a Polícia Comunitária faz no país.

O Brasil, que começou exportando a ideia do Japão, hoje é quem a leva de volta para o Oriente. Suzuki Noriko, relações públicas da JICA, já tem vários projetos no Brasil e hoje participou de uma reunião com o comandante da PM para conhecer a Polícia Comunitária de acordo com os moldes brasileiros.

“No Japão só existem as bases comunitárias fixas. Em São Paulo, a PM usa a base móvel, que é uma van ou trailer que ficam mais próximas da comunidade, podem estacionar em uma rua que fica próxima da comunidade. Esse procedimento paulista começa a ser aplicado no Japão”, explicou Noriko.

Função: inspetores de policiamento comunitário
“São Paulo é o pólo difusor da Polícia Comunitária”, afirma o coronel Castro. A Polícia Militar leva a doutrina desse policiamento para outros 12 estados – o último a criar este convênio foi o Mato Grosso do Sul. Outros cinco países na América Latina também possuem parceria com a PM paulista: Nicarágua, Honduras, Guatemala, El Salvador e Costa Rica.

A Polícia Militar acumulou, ainda, mais uma função, a de inspetora de como a doutrina está sendo implantada nesses países. “Quando o Japão implantou a Policia Comunitária no Brasil vieram inspetores japoneses para conferi-la. A mesma coisa acontecerá quanto à orientação brasileira e já ocorre em países da America Latina, só que os inspetores agora são brasileiros”, disse o comandante geral da PM.

A inspeção é um aporte que ajudará a implantar o conhecimento de Polícia Comunitária, conferirá como ela está sendo implantada e a redirecionará se necessário.

Números da Polícia Comunitária no Brasil
A história da Polícia Comunitária no país começou em 1997, quando a Polícia Militar de São Paulo começou a tratar do assunto com a japonesa. O acordo oficial foi firmado de 2004 até 2008, e ampliado até novembro de 2011. “Sem dúvida ele será ainda prolongado, já que a parceria deu tão certo”, disse o coronel Camilo.

Até hoje, os multiplicadores de Polícia Comunitária do Estado de São Paulo formaram 57 policiais militares, 51 na América Central, nos cinco países onde atuam, e 251 em todo o país. Até outubro deste ano, há 230 Bases Comunitárias de Segurança, 52 Bases Comunitárias Distritais – que servem de moradia para o policial – e 240 Bases Comunitárias Móveis.

Recomendo estes outros conteúdos:

  1. Rota completa 40 anos trabalhando por São Paulo
  2. CET monitora trânsito para “Tour do Brasil Volta Ciclística do Estado de São Paulo”
  3. São Paulo sedia 27ª edição dos Jogos Acadêmicos das Polícias
  4. São Paulo tem queda recorde de homicídios
  5. Canil Central da PM de São Paulo completa 60 anos

Seu email nao sera divulgado.
Campos obrigatorios marcados com *