29
março
2011
14:35

Polícia registra 900 vítimas do golpe por telefone. Acompanhem, com exclusividade, uma negociação até o fim

No vídeo abaixo, eu mostro ao internauta uma negociação do começo ao fim. Acompanhem a matéria e sintam o drama que muitas pessoas, vítimas desse tipo de golpe, passam não nas mãos, mas na lábia dos bandidos.

PLINIO DELPHINO (JT)

Só neste ano, o Centro de Operações da Polícia Militar (Copom) registrou 900 chamadas para atendimento dos golpes do falso acidente e do falso sequestro na capital. A média é de 10 casos por dia, mas o número pode ser maior, pois muitas vítimas que caem na conversa dos bandidos têm vergonha e por isso não procuram a polícia.

A Polícia Militar ressalta que consegue auxiliar a vítima em 90% dos chamados. Segundo esses dados, em cerca de 90 casos os golpes deram resultadoe a vítima, no desespero, acabou pagando a quantia exigida pelo ladrão. Foi o caso da dona de casa Lourdes Martins da Nóbrega, de 84 anos. Ela foi vítima de uma quadrilha que simulou um acidente com a sua sobrinha e conseguiu tirar da idosa R$ 13 mil. “Pedi até empréstimo pensando que faria um bem à minha sobrinha. Não me ocorreu que pudesse ser um golpe.”

O delegado Genésio Leo Júnior disse que muitos idosos têm vergonha de registrar o crime por que seus parentes zombam ou recriminam sua falha. O delegado foi responsável por prender dois dos quatro criminosos que aplicaram o golpe do falso acidente em Lourdes. “Foi graças a meu sobrinho que descobri que a minha sobrinha não havia sofrido acidente”, afirmou a idosa.

A família de Liselotte Zauner Her, de 92 anos, preocupada com a idosa, já não permite que ela atenda telefonemas de desconhecidos. Quando isso ocorreu, há pouco mais de um ano, ela caiu em golpe do falso acidente e pagou R$ 7 mil a criminosos.

A soldado Kalinauskas, há 15 anos atendendo chamadas no Copom, garante que a grande maioria das vítimas é de idosos. “Costumam ser de classe média e têm no máximo dois filhos. Quem mais fala conosco são os homens. As mulheres se desesperam mais facilmente”, disse. A Polícia Civil não descarta a possibilidade de criminosos terem acesso a banco de dados de áreas ligadas à saúde, onde há contatos de idosos.

O tenente Cleodato Moisés do Nascimento, porta voz do Comando de Policiamento da Capital (CPC), lembrou que há também o golpe da pesquisa na entrada do cinema.” A vítima responde a falso questionário, fornecendo informações importantes aos criminosos. “Depois, desliga o celular e entra no cinema. É nesse momento que o bandido liga aos familiares simulando sequestro ou acidente”, conta. Segundo a PM, os golpes por telefone começaram a ser registrados com mais frequência a partir de 2006. Primeiro, foram as premiações de operadoras de celulares, que seriam pagas após a vítima comprar créditos de pré-pagos. Depois, de dentro das cadeias, veio a onda dos falsos sequestros. “Atendíamos 100 chamadas desse tipo por dia em 2008”, lembrou o tenente. “Como o teatro do sequestro ficou mais conhecido do público, agora criou-se o do acidente.”

Recomendo estes outros conteúdos:

  1. Bombeiros resgatam vítimas das chuvas em Jundiaí
  2. Polícia Militar vai registrar boletins de ocorrência
  3. Fato relevante no trânsito
  4. Desabafo de uma esposa de policial militar
  5. Mais uma da loja Saraiva