17
setembro
2010
21:27

Sabesp identifica mais de 12 mil fraudes na rede de abastecimento da Grande São Paulo

Cerca de 2,5 bilhões de litros de água foram desviados pelos “gatos”. O volume seria suficiente para abastecer, por um mês, uma cidade de 543 mil habitantes

A Sabesp identificou mais de 12 mil fraudes na rede de abastecimento da Região Metropolitana de São Paulo entre janeiro e julho deste ano – 70% do total encontrado em todo o ano passado. O volume de água desviado pelos “gatos” foi de quase 2,5 bilhões de litros, o suficiente para abastecer por um mês uma cidade de 543 mil habitantes.

O número de casos identificados é consequência do empenho da companhia em coibir esses crimes. O trabalho dos Caça-Fraudes (como são chamados os funcionários que realizam o serviço) ganhou fôlego em relação ao ano passado, com um incremento no número de equipes e maior fiscalização. Em 2009, 122.482 vistorias haviam sido feitas, com 17.296 irregularidades encontradas. Até julho, 107.694 fiscalizações foram realizadas.
 
As irregularidades variam entre sutis intervenções no hidrômetro a ligações subterrâneas em que tubulações são conectadas diretamente à rede de abastecimento, dificultando a sua identificação por parte da empresa.

Das 12.388 fraudes detectadas, 83% (9.982 casos) localizavam-se em imóveis residenciais e 7% (875), em comerciais. O restante das irregularidades (1.151) foi constatado em indústrias e empresas. Das fraudes, o tipo mais comum foi o de violação de hidrômetro, com 6.892 casos. As ligações clandestinas chegaram a 4.142.

Esse tipo de irregularidade causa grandes prejuízos à população. Uma única fraude é suficiente para comprometer o abastecimento de um setor inteiro. As ligações clandestinas, por exemplo, provocam vazamentos, perda de pressão na rede e, consequentemente, falta de água para a população. Os “gatos” também podem ser a origem de infiltrações, que comprometem a estrutura dos imóveis, causando, inclusive, desabamentos.

O trabalho dos Caça-Fraudes é estratégico para a Sabesp, pois garante o abastecimento e a qualidade da água distribuída à população. O consumidor flagrado terá de pagar o correspondente à sua média histórica de consumo pelo período de irregularidade apurado. A dívida poderá ser parcelada de acordo com avaliação feita pela Sabesp. Em casos de reincidência, a empresa poderá abrir um Boletim de Ocorrência (BO) contra o fraudador.

Com a descoberta das irregularidades e a negociação com os fraudadores, a companhia conseguiu recuperar um montante de R$ 13,4 milhões que haviam deixado de ser faturados.

Hidrômetro Violado
Colocação de objeto (agulha, prego, etc.) no Disco Indicador de Volume, impedindo a marcação do volume de água.

Fraudes: 6.892 (55,63%)

Ligação clandestina
Quando é feita ligação direta do ramal da rede de abastecimento sem que a água passe pelo hidrômetro.

Fraudes: 4.142 (33,44%)

Hidrômetro invertido,
Quando o hidrômetro está instalado em posição invertida, diminuindo a marcação do consumo.

Fraudes: 1.020 (8,23%)

By Pass
Ligação feita antes do hidrômetro que evita que o aparelho meça o volume consumido.

Fraudes: 334 (2,70%)

Recomendo estes outros conteúdos:

  1. São Paulo sedia 27ª edição dos Jogos Acadêmicos das Polícias
  2. Canil Central da PM de São Paulo completa 60 anos